Mostrar registro simples

dc.creatorGOMES, Raimundo Wagner Gonçalves de Medeiros
dc.date.accessioned2019-07-24T15:00:03Z
dc.date.available2019-07-22
dc.date.available2019-07-24T15:00:03Z
dc.date.issued2019-05-09
dc.identifier.urihttp://memoria.ifrn.edu.br/handle/1044/1688
dc.description.abstractConsidering that a) teaching, as a pedagogical activity, is configured as a more complex than the common tradition of linear exposition of the theoretical Sciences; b) that the center of the school process is the subject in its formation for citizenship; c) that the teaching-learning process can not dispense with interdisciplinarity as ground; d) that the conduct of the teachinglearning process is based on the contradiction between the solipsism of the subject and the complexity of the real the understanding of the role of the curriculum will become transparent and, its exercise, soberly practicable. Before the question: how does interdisciplinarity, based on the epistemological structure of the subject, contributes to a construction (teaching) of the history discipline in High School? For the elucidation of the question, it is aimed, taking as background the teaching of the discipline of history: 1) to show the structure of the subject in the light of philosophy (subject epistemological) and of historical science (historical subject) mediated by the geography (spatial subject ) and sociology (post-structural subjects) - disciplines present in the curriculum of human sciences of High School; 2) demonstrate the preeminence of interdisciplinarity as an epistemological condition inherent in the teachinglearning; 3) discuss the curriculum as a place of conflict and as a dialectical result between the subject and socially constituted knowledge and as a place of access to the consciousness of his condition and epistemological constitution of author of knowledge. The methodology used to achieve the listed goals is a bibliographical research aimed at clarifying what is the idea of subject; to prove it as the foundation of the discipline of history and that, with understanding of this pre-eminence, the pertinence of the pedagogical role of this curricular component in the achievement of the objectives assigned to High School. To this end, the dialectical-historical method, according to Marx (2001, 2008), is used, since the construction of human consciousness is grounded in its historical-material relations. Thus, together with Heidegger's phenomenological-hermeneutic method (2000), once human actions are directly conditioned to the interpretation of reality and, for this reason, reason, the deeper this interpretation enters into the truth of being, the better apprehension of the world in its truth (contextual, procedural). In this way, it has been found in this research that the state of knowledge in the approach of teaching history, is perceived as neglecting the ontological nature of the man, subject autonomous interpreter, although conditioned, developing exposures that touch the surface of the problem without going into its heart. Thus, it can be concluded that researches aimed at teaching (here, specifically, the teaching of history) can not dispense with a hermeneutics that reveals the ontological conditions that underlie the historical-social context of the subject - the center of the educational process - for understanding the this type of reflection has in the comprehension of the amplitude of the gnosiological spectrum of the student, so that the teaching activity, based on this perception, develop the competences to get the stimulus of creative curiosity in the pedagogical process towards a gnosiological and epistemological necessary for the development of the intellectual autonomy, that is a preamble to ethical autonomy and, consequently, politics in citizen praxis.pt_BR
dc.languageporpt_BR
dc.publisherInstituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Nortept_BR
dc.rightsAcesso Abertopt_BR
dc.subjectSujeito. Ensino de história. Ensino Médio. Currículo. Interdisciplinaridadept_BR
dc.titleFUNDAMENTO FILOSÓFICO DA INTERDISCIPLINARIDADE NO COMPONENTE CURRICULAR DE HISTÓRIA NO ENSINO MÉDIO: O SUJEITO EM SUA HISTORICIDADEpt_BR
dc.typeDissertaçãopt_BR
dc.creator.Latteshttp://lattes.cnpq.br/0298204751445773pt_BR
dc.contributor.advisor1Tamanini, Paulo Augusto
dc.contributor.advisor1Latteshttp://lattes.cnpq.br/2405551882781242pt_BR
dc.contributor.referee1Tamanini, Paulo Augusto
dc.contributor.referee2Cairus, Henrique Fortuna
dc.contributor.referee3Silva, Francisco Vieira
dc.publisher.countryBrasilpt_BR
dc.publisher.departmentMossorópt_BR
dc.publisher.programOutropt_BR
dc.publisher.programMestrado Acadêmico em Ensinopt_BR
dc.publisher.programOutropt_BR
dc.publisher.initialsIFRNpt_BR
dc.subject.cnpqEducaçãopt_BR
dc.description.resumoConsiderando que a) o ensino, enquanto atividade pedagógica, configura-se como um processo mais complexo que a vulgar tradição de exposição linear das conquistas teóricas das ciências; b) que o centro do processo escolar é o sujeito em sua formação para a cidadania; c) que o processo ensino-aprendizagem não pode prescindir da interdisciplinaridade como fundamento; d) que a condução do processo ensino-aprendizagem está fundamentada na contradição dialética entre o solipsismo do sujeito e a complexidade do real a compreensão do papel do currículo tornar-se-á transparente e, seu exercício, sobriamente praticável. Diante do exposto, pergunta-se: como a interdisciplinaridade, fundamentada na estrutura epistemológica do sujeito, contribui para uma construção (ensino) da disciplina de história no Ensino Médio? Para a elucidação da questão, objetiva-se, tomando como plano de fundo o ensino da disciplina de história: 1) evidenciar a estrutura do sujeito à luz da filosofia (sujeito epistemológico) e da ciência histórica (sujeito histórico) mediada pelas contribuições da geografia (sujeito espacial) e da sociologia (sujeitos pós-estrutural) — disciplinas presentes no currículo de ciências humanas do Ensino Médio; 2) demonstrar a preeminência da interdisciplinaridade como condição epistemológica inerente ao processo ensino-aprendizagem; 3) discutir o currículo como lugar de conflito e como resultado dialético entre o sujeito e os saberes socialmente constituídos e como lugar de acesso à consciência de sua condição e constituição epistemológica de autor do saber. Para atingir os objetivos elencados, a metodologia seguida será a de uma pesquisa bibliográfica com fins a esclarecer o que é o sujeito; demonstrá-lo como fundamento da disciplina de história e que, somente com a compreensão dessa preeminência, ficará evidenciada a pertinência do papel pedagógico desse componente curricular no alcance das finalidades atribuídas ao Ensino Médio. Para tanto, far-se-á uso do método históricodialético, conforme Marx (2001, 2008), por entender que a construção da consciência humana funda-se em suas relações histórico-materiais. Assim, em conjunto com o método fenomenológico-hermenêutico de Heidegger (2000), por concordar que as ações humanas estão diretamente condicionadas à interpretação da realidade e, por essa razão, quanto mais fundo essa interpretação adentrar na verdade do ser, tanto melhor para a apreensão do mundo em sua verdade (contextual, processual). Desse modo, constatou-se nas pesquisas apresentadas no estado do conhecimento que na abordagem do ensino de história, percebe-se uma negligência da natureza ontológica do homem, sujeito intérprete autônomo, ainda que condicionado, desenvolvendo exposições que tocam a superfície do problema sem adentrar em seu cerne. Com isso, pode-se concluir que pesquisas que têm como objeto o ensino (aqui, especificamente, o ensino de história) não podem prescindir de uma hermenêutica que desvele as condições ontológicas que fundamentam a constituição histórico-social do sujeito — centro do processo educativo — por entender a relevância que este tipo de reflexão tem na compreensão da amplitude do espectro gnosiológico do discente, a fim de que a atividade docente, assentada nessa percepção, desenvolva as competências necessárias ao estímulo da curiosidade criadora no processo pedagógico rumo à consciência gnosiológica e epistemológica necessárias ao desenvolvimento da autonomia intelectual, que é preâmbulo para a autonomia ética e, consequentemente, política na práxis cidadã.pt_BR
dc.relation.referencesALTHUSSER, Louis. Ideologia e aparelhos ideológicos de Estado. Tradução Joaquim José de Moura Ramos. Lisboa: Presença: Martins Fontes, 1970. ALVARENGA, Augusta Thereza et al. Interdisciplinaridade e transdisciplinaridade: nas tramas da complexidade e desafios aos processos investigativos. In: PHILIPPI JR., Arlindo; FERNANDES, Valdir (ed.). Práticas da interdisciplinaridade no ensino e pesquisa. Barueri: Manole, 2015. p. 37-89. ANKERSMIT, F. R. História e pós-modernismo. Topoi, Rio de Janeiro, v. 2, n. 2, p. 113- 135, jan./jun. 2001. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/topoi/v2n2/2237-101X-topoi-2- 02-00113.pdf. Acesso em: 10 nov. 2018. ARENDT, H. O que é política? 11. ed. Tradução Reinaldo Guarany. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2013. ARISTÓTELES. Política. São Paulo: Nova Cultural, 2000. (Os pensadores). BAUMAN, Zigmunt. Tempos líquidos. Tradução Carlos Alberto Medeiros. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2007. BEZERRA, Holien Gonçalves. Ensino de história: conteúdos e conceitos básicos. In: KARNAL, Leandro (org.). História na sala de aula: conceitos, práticas e propostas. 6. ed. São Paulo: Contexto, 2016. p. 37-48. (Coleção repensando o ensino). BEZERRA, Ricardo José Lima. O ensino de História em escolas públicas do interior de Pernambuco: currículo, saberes e práticas. 2014. 142 f. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2014. BLOCH, Marc. Apologia da história ou o ofício de historiador. Tradução André Telles. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2002. BOAS, Franz. A Formação da antropologia americana (1883-1911). Tradução Rosaura Maria Cirne Lima Eichenberg. Rio de Janeiro: Contraponto: UFRJ, 2004. BRANDÃO, Silvia Helena Antunes Bueno. Práticas pedagógicas de professores de História dos anos finais do ensino fundamental e saberes curriculares. 2014. 135 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2014. BRASIL. Secretaria da Educação Básica. Formação de Professores do Ensino Médio: o Currículo do Ensino Médio, seus sujeitos e o desafio da formação humana integral. Curitiba: UFPR, 2013. BRASIL. Lei nº 10.639/2003, de 9 de janeiro de 2003. Altera a Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Diário Oficial da União, Brasília, DF, p. 1, 10 jan. 2003. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2003/l10.639.htm. Acesso em: 19 nov. 2018. BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União, Brasília, DF, p. 27833, 23 dez. 1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/CCIVIL_03/Leis/L9394.htm. Acesso em: 25 ago. 2018. BRASIL. Ministério da Educação. Resolução CNE/CEB nº 2, de 30 de janeiro de 2012. Define Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio. Diário Oficial da União: seção 1, Brasília, DF, p. 20, 31 jan. 2012. BRASIL. Ministério da Educação. PCN+: ensino médio: orientações educacionais complementares aos parâmetros curriculares nacionais Ciências Humanas e suas Tecnologias. Brasília, DF: MEC, 2002. BURCKHARDT, J. A cultura do Renascimento na Itália: um ensaio. Tradução Sérgio Tellaroli. São Paulo: Companhia das Letras, 2009. BURKE, Peter. A Revolução Francesa da Historiografia: a Escola dos Annales 1929-1989. 2. ed. São Paulo: UNESP, 1992. CAMUS, Albert. O mito de Sísifo. Tradução Ari Roitman, Paulina Watch. Rio de Janeiro: Record, 2019. CAVALCANTI, Lana de Souza. Geografia, escola e construção de conhecimentos. 7. ed. Campinas: Papirus, 1998. (Coleção Magistério: Formação e Trabalho Pedagógico). CAVALCANTI, Lana de Souza. O ensino de geografia na escola. Campinas: Papirus, 2015. (Coleção Magistério: Formação e Trabalho Pedagógico) CAZULA, André Luiz da Silva. Diretrizes Curriculares Estaduais de História no Paraná e Orientação Temporal: Perspectivas e Práticas de Professores da Rede Estadual de Ensino. Jacarezinho-PR. 2015. 2016. 179 f. Dissertação (Mestrado em História Social) – Centro de Letras e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Londrina, Londrina, 2016. COMTE, Auguste. Curso de filosofia positiva. Tradução José Arthur Giannotti. São Paulo: Abril Cultural, 1978. (Coleção Os pensadores) COSTA, Artur Nogueira Santos e. Ensino de história na escola pública: percursos e práticas de currículo(s) no ensino fundamental. Uberlândia (2010-2016). 2017. 228 f. Dissertação (Mestrado em História) - Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2017. DESCARTES, R. Princípios da Filosofia. Lisboa: Guimarães Editores, 1960. DEWEY, J. Vida e Educação. Tradução Anísio S. Teixeira. São Paulo: Abril Cultural, 1980. DIDEROT, Denis; D’ALEMBER, Jean Le Rond. Enciclopédia, ou Dicionário razoado das ciências, das artes e dos ofícios: Volume 1: Discurso preliminar e outros textos. Tradução Fúlvia Moreto, Maria das Graças de Souza. São Paulo: UNESP, 2015. DURKHEIM, Émile. As formas elementares da vida religiosa: o sistema totêmico na Austrália. Tradução Paulo Neves. São Paulo: Martins Fontes, 1996. (Coleção Tópicos). ELIADE, M. Mito e realidade. Tradução Pola Civelli. São Paulo: Perspectiva, 1972. FARIA, J. H. Epistemologia crítica, metodologia e interdisciplinaridade. In: PHILIPPI JR, A.; FERNANDES, V. (ed.). Práticas interdisciplinares no ensino pesquisa. Barueri: Manole, 2015. p. 91-135. FERREIRA, Alcir Vanderlei. Políticas Públicas para o Ensino de História: legislação e o currículo na cidade de São Paulo. 2016. 119 f. Dissertação (Mestrado em Educação). Faculdade de Educação, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2016. FIALHO, Lia M. F.; MACHADO, Charliton, J. dos S.; SALES, José A. M. de. As teorias da história e a história ensinada no Ensino Fundamental. Educativa, Goiânia, v. 19, n. 1, p. 1043-1065, set/dez., 2016. Disponível em: http://seer.pucgoias.edu.br/index.php/educativa/ article/viewFile/5465/3022. Acesso em: 10 out. 2018. FIALHO, Lia M. F.; MACHADO, Charliton, J. dos S.; SALES, José A. M. de. As correntes do pensamento geográfico e a geografia ensinada no ensino fundamental: objetivos, objeto de estudo e a formação dos conceitos geográficos. Educação em Foco, Belo Horizonte, v. 17, n. 23, p. 203-224, jul., 2014. Disponível em: http://revista.uemg.br/index.php/educacaoem foco/article/view/432/355. Acesso em: 12 dez. 2018. FRANCO, Sérgio de G. “Dilthey: compreensão e explicação” e possíveis implicações para o método clínico. Revista Latinoamericana de Psicopatologia Fundamental, São Paulo, v. 15, n. 1, p. 14-26, mar. 2012. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rlpf/v15n1/02v15n1. pdf. Acesso em: 17 jun. 2018. FREIRE, P. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. 49. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2014. FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir: nascimento da prisão. 20. ed. Tradução Raquel Ramalhete. Petrópolis: Vozes, 1999. GABRIEL, Carmen Teresa; MONTEIRO, Ana Maria. Currículo de história e narrativa: desafios epistemológicos e apostas políticas. In: MONTEIRO, Ana Maria et. al. (org.). Pesquisa em ensino: entre desafios epistemológicos e apostas políticas. Rio de Janeiro: Mauad X; FAPERJ, 2014. p. 23-40. GIL, Antônio C. Método e técnicas de pesquisa social. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2007. HABERMAS, J. Consciência moral e agir comunicativo. Tradução Guido A. de Almeida. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1989. HALBWACHS, M. A memória coletiva. Tradução Laurent L. Shaffter. São Paulo: Vértice, 1990. HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Tradução Tomaz Tadeu da Silva, Guaracira Lopes Louro. 11. ed. Rio de Janeiro: DP&A Editora, 2006. HEIDEGGER, M. A questão da técnica. Scientiae studia, São Paulo, v. 5, n. 3, p. 375-398, 2007. Disponível em: https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/309747/mod_resource/ content/1/HideggerTecnica.pdf. Acesso em: 2 jan. 2019. HEIDEGGER, M. Introdução à Filosofia. Tradução Marco Antônio Casanova. 2. ed. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2009. HEIDEGGER, M. O Conceito de Tempo. 2. ed. Tradução Irene Borges-Duarte. Lisboa: Fim do Século, 2008a. HEIDEGGER, M. Parmênides. Tradução Sérgio M. Wrublevski. Petrópolis: Vozes; Bragança Paulista: Editora Universitária São Francisco, 2008b. HEIDEGGER, M. Ontologia (Hermenêutica da Facticidade). Tradução Renato Kirchner. Petrópolis: Vozes, 2012. HEIDEGGER, M. Os Conceitos Fundamentais da Metafísica: Mundo – Finitude – Solidão. Tradução Marco Antônio Casanova. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2006. HEIDEGGER, M. Que é Metafísica? Tradução Ernildo Stein. São Paulo: Abril Cultural, 1978. HEIDEGGER, M. Ser e tempo. Parte I. 9. ed. Tradução Márcia de Sá Cavalcante. Petrópolis: Vozes, 2000. HEIDEGGER, M. Ser e tempo: Parte II. 7. ed. Tradução Márcia de Sá Cavalcante. Petrópolis: Vozes, 2000. JAPIASSU, H. Interdisciplinaridade e patologia do saber. Rio de Janeiro: Imago, 1976. KARNAL, Leandro. (org.). História na sala de aula: conceitos, práticas e propostas. 6. ed. São Paulo: Contexto, 2016. (Coleção repensando o ensino) KIRCHNER, R. A fundamental diferença entre o conceito de tempo na ciência histórica e na física: interpretação de um texto heideggeriano. Veritas, Campinas, v. 57, n. 1, jan./abr. 2012, p. 128-142. Disponível em: http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/veritas/article/view/ 11230/7674. Acesso em: 21 abr. 2018. LAPLANTINE, François. Aprender antropologia. Tradução Marie-Agnès Chauvel. São Paulo: Brasiliense, 2003. LINS, Stênio Farias D’Avila. Em busca da integração: a re(construção) dos saberes históricos e os fundamentos de uma proposta de Ensino Médio Integrado no IFPB (2004- 2006). 2015. 256 f. Dissertação (Mestrado em História) - Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 2015. LOPES, Alice C.; MACEDO, Elizabeth (org). Currículo: debates contemporâneos. 3. ed. São Paulo: Cortez, 2015. LOPES, Alice C.; MACEDO, Elizabeth (org). Teorias de currículo. São Paulo: Cortez, 2011. LYOTARD, Jean-François. A condição pós-moderna. Tradução Ricardo Corrêa Barbosa. 12. ed. Rio de Janeiro, 2009. MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. A ideologia alemã. 2. ed. Tradução Luís Cláudio de Castro Costa. São Paulo: Martins Fontes, 2001. MARX, Karl. Contribuição à crítica da economia política. 2. ed. Tradução Florestan Fernandes. São Paulo: Expressão Popular, 2008. MARTINS, Cinthia Cristina de Oliveira. Entre propostas e Reformas: Trajetórias e disputas na organização curricular do ensino de História. 2016. 116 f. Dissertação (Mestrado em História) - Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2016. MASSEY, Doreen. Pelo espaço: uma nova política de espacialidade. Tradução Hilda Pareto Maciel, Rogério Haesbaert. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2008. MINAYO, M. C.; SANCHES, O. Quantitativo-Qualitativo: Oposição ou Complementaridade? Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 9, n. 3, p. 239-262, jul./set. 1993. MONASTA, Attilio. Antonio Gramsci. Tradução Paolo Nosella. Recife: Fundação Joaquim Nabuco, Massangana, 2010. (Coleção Educadores). Disponível em: http://www.dominio publico.gov.br/download/texto/me4660.pdf. Acesso em: 18 out. 2018. MONTEIRO, A. M. et al. Pesquisa em ensino de história: entre desafios epistemológicos e apostas políticas. Rio de Janeiro: Manuad X; FARPEJ, 2014. MOREIRA, Antônio Flávio Barbosa; SILVA, Tomaz Tadeu da. Sociolgia e teoria crítica do currículo: uma introdução. In: MOREIRA, Antonio Flávio; SILVA, Tomaz Tadeu da (org.). Currículo, cultura e sociedade. 2. ed. Tradução Maria Aparecida Batista. São Paulo: Cortez, 1995. p. 7-38. MOREIRA, Carlos Gustavo Costa. Sobre a aprendizagem dos regimes de sentido do tempo histórico escolarizado: parâmetros críticos para estudo curricular sobre ensino de História para o 6º ano do Ensino Fundamental. 2016. 209 f. Dissertação (Mestrado em Ensino Profissional de História) - Instituto de Ciências Humanas e Sociais, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Seropédica, 2016. MORIN, Edgar. Os sete saberes necessários à educação do futuro. 2. ed. Tradução Catarina Eleonora F. da Silva e Jeanne Sawaya. São Paulo: Cortez; Brasília: UNESCO, 2000. MORIN, Edgar. A cabeça bem-feita: repensar a reforma, reformar o pensamento. Tradução Eloá Jacobina. 7. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2002. PENNA, Fernando de Araújo. A relevância da didática para uma epistemologia da história. In: MONTEIRO, Ana Maria et. al. (org.). Pesquisa em ensino: entre desafios epistemológicos e apostas políticas. Rio de Janeiro: Mauad X: FAPERJ, 2014. p. 41-52. PESSONI, Natália Cândida dos Santos. Os currículos de História para o Ensino Fundamental em Goiás e a consciência histórica dos alunos (2004-2016). 2017. 110 f. Dissertação (Mestrado em História) - Faculdade de História, Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2017. PINSKY, Jaime; PINSKY, Carla Bassanezi. Por uma história prazerosa e consequente. In: KARNAL, Leandro (org.). História na sala de aula: conceitos, práticas e propostas. 6. ed. São Paulo: Contexto, 2016. p. 17-36. (Coleção repensando o ensino) REIS, J. C. Teoria e História: tempo histórico, história do pensamento histórico ocidental e pensamento brasileiro. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2012. RICOEUR, P. Tempo e narrativa: Tomo III. Tradução Roberto L. Ferreira. Campinas: Papirus, 1997. ROMANOWSKI, Joana. P.; ENS, Romilda T. As Pesquisas Denominadas do Tipo “Estado da Arte” em Educação. Diálogos Educacionais, Curitiba, v. 6, n. 19, p. 37-50. set./dez. 2006. SACRISTÁN, J. Gimeno. O currículo: uma reflexão sobre a prática. 3. ed. Tradução Ernani F. da Fonseca Rosa. Porto Alegre: Artmed, 2000. SANTOS, Iusley Monteiro dos. O ensino de história em Goiás, na educação básica, nos programas curriculares da SEDUC/GO: do currículo em debate ao pacto pela educação. 2016. 153 f. Dissertação (Mestrado Profissional em História) - Universidade Federal de Goiás, Catalão, 2016. SANTOS, Milton. A natureza do espaço: técnica e tempo, razão e emoção. 4. ed. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2006. (Coleção Milton Santos). SANTOS, Rodrigo M. Estado da arte e história da pesquisa em educação estatística em programas brasileiros de pós-graduação. 2015. 348 f. Tese (Doutorado em Educação). Faculdade de Educação. Universidade Estadual de Campinas. Campinas, 2015. SILVA, Tomaz T. da. A produção social da identidade e da diferença. In: SILVA, Tomaz T. (org.). Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. Petrópolis: Vozes, 2000. p. 73-102. SCHOPENHAUER, A. Metafísica do amor, metafísica da morte. Tradução Jair Barboza. São Paulo: Martins Fontes, 2000. THIESEN, Juares da Silva. A interdisciplinaridade como um movimento de articulação no processo ensino aprendizagem. PerCursos, Florianópolis, v. 8, n. 1, p. 87-102, jan./jun. 2007. Disponível em: http://nead.uesc.br/arquivos/Fisica/estagio_supervisionado_4/material_ apoio/unidade_1-a_interdisciplinaridade_como_articulacao_processo_ensinoaprendizagem.pdf. Acesso em: 20 out. 2018. THIESEN, Juares da Silva. Currículo Interdisciplinar: contradições, limites e possibilidades. Perspectiva, Florianópolis, v. 31, n. 2, p. 591-614, maio/ago. 2013. Disponível em: https:// periodicos.ufsc.br/index.php/perspectiva/article/view/2175-795X.2013v31n2p591/26325. Acesso em: 4 nov. 2018. VIEIRA, Carine de Oliveira. Os PCN e o lugar da tradição: tensões sobre o currículo de História. 2016. 110 f. Dissertação (Mestrado Profissional em Rede Nacional PROFHISTÓRIA) – Faculdade de Formação de Professores, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, São Gonçalo, 2016. VIEIRA, Nathália Fernandes. A construção de um currículo: a proposta de História da América para a 1ª série do 2º grau (1980-1983). 2018. Dissertação (Mestrado em História) - Departamento de História, Universidade Estadual de Ponta Grossa, Ponta Grossa, 2018. WOODWARD, Kathryn. Identidade e diferença: uma introdução teórica e conceitual. In: SILVA, Tomaz T. (org.). Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. Petrópolis: Vozes, 2000. p. 7-72.pt_BR


Arquivos deste item

Thumbnail

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(s)

Mostrar registro simples