Mostrar registro simples

dc.creatorDantas, Maria Wagna de Araújo
dc.date.accessioned2019-11-28T17:33:22Z
dc.date.available2019-11-28T17:33:22Z
dc.date.issued2019-08-30
dc.identifier.citationDantas, Maria Wagna de Araújo. A coleta seletiva na cidade do Natal-RN: Uma avaliação utilizando índice de sustentabilidade. 2019. 29f. Artigo científico (Mestrado em uso sustentável de recursos naturais) - Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte, Natal, 2019.pt_BR
dc.identifier.urihttp://memoria.ifrn.edu.br/handle/1044/1711
dc.description.abstractThe purpose of this article is to evaluate the Natal-RN selective collection program from 2013 to 2016. The program is operated by two recyclable waste pickers’ cooperatives. Despite its implementation in 2003, no management evaluation tools have been applied yet. The methodology includes the sustainability index comprised of sixteen indicators grouped in five aspects. The indicators’ evaluation is made according to the descriptors of each one of them, scoring in a scale from zero to one, after the qualitative or quantitative analysis of each indicator. The sustainability index is determined by the relationship between the sum of the indicator's product and its weight and the sum of the weights, and it is transformed into a qualitative assessment from very unfavorable to very favorable. The data used for determining the indicators were obtained from the National Sanitation Information System (SNIS), from official information from the municipal company, and from an on-site evaluation through a checklist applied in cooperatives, as well as scientific articles about the project. According to the results, the selective collection of Natal-RN ranged from unfavorable in 2013 to favorable in the following years. However, the value of 0.52 is on the lower scale of the favorable classification, which can reach 0.75. This indicates the program needs investments to be improved. The most inefficient indicators presented are those related to community service, environmental education and dissemination, inclusion of loose collectors, population adherence and recovery of recyclables.pt_BR
dc.languageporpt_BR
dc.publisherInstituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Nortept_BR
dc.rightsAcesso Abertopt_BR
dc.subjectindicadorespt_BR
dc.subjectSustentabilidade.pt_BR
dc.subjectColeta seletiva.pt_BR
dc.titleA coleta seletiva de Natal-RN: Uma avaliação utilizando índice de sustentabilidadept_BR
dc.typeTrabalho de Conclusão de Cursopt_BR
dc.creator.Latteshttp://lattes.cnpq.br/9707065013144997pt_BR
dc.contributor.advisor1Lopes, Régia Lúcia
dc.contributor.advisor1Latteshttp://lattes.cnpq.br/8562147942949637pt_BR
dc.contributor.advisor-co1Ramos, José Beldson Elias
dc.contributor.advisor-co1Latteshttp://lattes.cnpq.br/8890576479043752pt_BR
dc.contributor.referee1Lopes, Régia Lúcia
dc.contributor.referee1Latteshttp://lattes.cnpq.br/8562147942949637pt_BR
dc.contributor.referee2Pimenta, Handson Cláudio Dias
dc.contributor.referee2Latteshttp://lattes.cnpq.br/8065577019080321pt_BR
dc.contributor.referee3Nóbrega, Cláudia Coutinho
dc.contributor.referee3Latteshttp://lattes.cnpq.br/8208309251703934pt_BR
dc.contributor.referee4Pinheiro, Sérgio Bezerra
dc.contributor.referee4Latteshttp://lattes.cnpq.br/8983550742003284pt_BR
dc.publisher.countryBrasilpt_BR
dc.publisher.departmentNatal - Centralpt_BR
dc.publisher.initialsIFRNpt_BR
dc.subject.cnpqEngenharia sanitáriapt_BR
dc.description.resumo: O objetivo deste artigo é avaliar o programa de coleta seletiva de Natal-RN, no período de 2013 a 2016. O programa é operado por duas cooperativas de catadores de materiais recicláveis e foi implantado desde 2003. Contudo, até os dias atuais, nenhuma ferramenta para avaliação da gestão foi aplicada. A metodologia utiliza o índice de sustentabilidade composto por dezesseis indicadores agrupados em cinco aspectos. A avaliação dos indicadores é feita de acordo com descritores de cada um deles, pontuando-se em uma escala de zero a um, após a análise qualitativa ou quantitativa de cada indicador. O índice de sustentabilidade é determinado pela relação entre o somatório do produto do indicador e o respectivo peso e a somatória dos pesos, sendo transformado numa avaliação qualitativa de muito desfavorável a muito favorável. Os dados utilizados para a determinação dos indicadores foram obtidos no Sistema Nacional de Informação de Saneamento (SNIS), por meio de informações oficiais da empresa municipal, e de uma avaliação in loco por meio de aplicação de checklist junto às cooperativas, além de artigos científicos sobre o projeto. De acordo com os resultados, a coleta seletiva de Natal-RN variou de desfavorável, no ano de 2013, para favorável, nos anos seguintes. Porém o valor de 0,52 está na escala inferior da classificação favorável, a qual pode chegar até 0,75, indicando necessidades de investimentos para melhoria do programa. Os indicadores que apresentaram maior ineficiência estão relacionados com aspectos de atendimento à população, educação ambiental e divulgação, inclusão de catadores avulsos, adesão da população e recuperação de recicláveis.pt_BR
dc.relation.referencesBESEN, G. R. A questão da coleta seletiva formal. In: PHILIPPI JR, Arlindo. Política Nacional, Gestão e Gerenciamento de Resíduos Sólidos. Barueri: Editora Manole, 2012. BESEN, G. R. Coleta seletiva com inclusão de catadores: construção participativa de indicadores e índices de sustentabilidade. 2011. 274 f. Tese (Doutorado em Saúde Pública) – Faculdade de Saúde Pública, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2011. BISPO, Cristina et al. Coleta seletiva em Natal/RN: cenário das cooperativas de materiais recicláveis. Revista Metropolitana de Sustentabilidade – RMS. São Paulo, v. 7, n. 1, p. 141-160, jan./abr. 2017. BRASIL. Lei nº 12.305, de 2 de agosto de 2010. Institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos; altera a Lei nº 9.605, de 12 de fevereiro de 1998; e dá outras providências. Brasília: Presidência da República, 2010. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ ccivil_03/_ato2007-2010/2010/lei/l12305.htm>. Acesso em: 10 jul. 2019. BRASIL. Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento: diagnóstico do manejo de resíduos sólidos urbanos. Brasília: MDR.SNS, 2017. BRINGHENTI, J. R.; GÜNTHER, W. M. R. Participação social em programas de coleta seletiva de resíduos sólidos urbanos. Engenharia Sanitária e Ambiental, v. 16, n. 4, p. 421-430, 2011. CAMPANI, D. B.; WARTCHOW, D.; RAMOS, G. G. de C. R Indicadores socioambientais como instrumentos de gestão na coleta seletiva de resíduos sólidos urbanos. Revista AIDIS de Ingeniería y Ciências Ambientales: investigación, desarrolho y prática. v. 6, n. 1, 110-121, 2013. COMPROMISSO Empresarial para Reciclagem. Ciclosoft 2016. 2016. Disponível em: <http://cempre.org.br/ciclosoft/id/8>. Acesso em: 08 jul. 2019. COMPROMISSO Empresarial para Reciclagem. Ciclosoft 2018. 2018. Disponível em: <http://cempre.org.br/ciclosoft/id/9>. Acesso em: 10 jul. 2019. DANTAS, M.W.A.; LOPES, R. L.; RAMOS, J. B. E. Coleta seletiva de Natal/RN: desafios e potencialidades rumo a sustentabilidade. In: CONGRESSO SUL AMERICANO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E SUSTENTABILIDADE, 2., 2019, Foz do Iguaçu. Anais... Foz do Iguaçu: Ibeas, 2019. p. 1 - 7. Disponível em: <https://www.ibeas.org.br/conresol/conresol2019/VIII-030.pdf>. Acesso em: 10 set. 2019. DANTAS, M.W.A.; LOPES, R. L. Desafios e perspectivas na gestão integrada da coleta seletiva de resíduos sólidos de Natal/RN. In: NUNES, I. L. S.; PESSOA, L. A.; GIOVANETTI, S. Resíduos sólidos: os desafios da gestão. Recife: EDUFRPE, 2019. FECHINE, R.; MORAES, L. R. S. Indicadores de sustentabilidade como instrumentos para avaliação de programas de coleta seletiva de resíduos sólidos urbanos e sua aplicação na cidade de Salvador-BA. Revista Eletrônica de Gestão e Tecnologias Ambientais (GESTA), v. 2, n. 1, p. 87-104, 2014. FIGUEREDO, F. F.; SILVEIRA, R. M. C. A participação de catadores na gestão dos resíduos sólidos de Natal/RN entre os anos de 2003 e 2014. In: ENCONTRO ANUAL DA ANPOCS, 40., 2016, Caxambu. Anais... Caxambu: ANPOCS, 2016. FUNDAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE (FUNASA). Gestão da coleta seletiva e de organizações de catadores: indicadores e índices de sustentabilidade. São Paulo: Faculdade de Saúde Pública/USP, 2016. FUNDACIÓN AVINA. Contratação pública municipal de uma cooperativa de catadores: o caso da Cooper Região – cooperativa de catadores de materiais recicláveis da região metropolitana de Londrina-PR. Salvador: Inspirar Ideias, 2012. GODECKE, M. V.; NAIME, R, H.; FIGUEIREDO, J. A.S. O consumismo e a geração de resíduos sólidos urbanos no Brasil. 2012. Disponível em: http://web-resol.org/textos/6380-33840-2-pb-2.pdf. Acesso em: 2 jul. 2019. GONÇALVES F. M; LEME R. S. Logística Reversa: qual é o papel dos municípios no cenário da política nacional de resíduos sólidos? R. Jur. UNI7, Fortaleza, v. 15, n. 1, p. 63-87, jan./jun. 2018. IBÁÑEZ-FORÉS, V. et al. Assessing the social performance of municipal solid waste management systems in developing countries: Proposal of indicators and a case study. Ecological Indicators, v. 98, 164-178, 2019. INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA (IPEA). Diagnóstico dos instrumentos econômicos e sistemas de informação para gestão de resíduos sólidos. Brasília: IPEA. 2019. JODAS, N. A contratação das organizações de catadores pelos municípios: um instrumento de emancipação social e maior sustentabilidade na gestão dos resíduos sólidos urbanos. 2013. Disponível em: <www.publicadireito.com.br/artigos/?cod=5b3a93d103a66345>. Acesso em: 20 jun. 2019. KAZA, S. et al. What a Waste 2.0: a global snapshot of solid waste management to 2050. Washington: World Bank Publications, 2018. KOVACS, A. et al. Um indicador para avaliação da coleta seletiva e da infraestrutura de triagem de materiais recicláveis, nos municípios paulistas. In: SIMPÓSIO ÍTALO-BRASILEIRO DE ENGENHARIA SANITÁRIA E AMBIENTAL, 10, 2010, Maceió. Anais... Maceió: ABES, 2010. LIMA, R. M. S. R. Implantação de um programa de coleta seletiva porta a porta com inclusão de catadores: estudo de caso em Londrina-PR. 2006. 173 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Edificações e Saneamento). Universidade Estadual de Londrina. Londrina. 2006. PREFEITURA DO NATAL. Decreto Municipal 9.721/2012. Aprova o Plano de Gestão de Resíduos Sólidos do Município de Natal e dá outras providências. 2012. Disponível em: <https://www.natal.rn.gov.br/_anexos/publicacao/legislacao/Decreto_20120612_9721_.pdf>. Acesso em: 20 jul. 2019. PREFEITURA DE NATAL. Plano Municipal de Saneamento Básico do município de Natal/RN: produto 03 – prognóstico e alternativas para a universalização. Natal: Start, 2015. PRICE WATER HOUSE COOPERS INTERNATIONAL LIMITED (PWC). Três anos após a regulação da política nacional de resíduos sólidos (PNRS): seus gargalos e superações. 2010. Disponível em: <http://www.ablp.org.br/pdf/Guia_PNRS_11_alterado.pdf >. Acesso em: 16 jul. 2019. RAMOS, R.R. Gestão de resíduos sólidos urbanos: indicadores de sustentabilidade aplicados a programas de gestão e associações de catadores de materiais recicláveis. Geografia, v. 22, n. 3. p. 27-45, set/dez. 2013. RIBEIRO, H. et al. Coleta seletiva com inclusão social: cooperativismo e sustentabilidade. São Paulo: Annablume, 2009. RIO GRANDE DO NORTE. Plano Estadual de Resíduos Sólidos do Rio Grande do Norte. 2015. Disponível em: <http://adcon.rn.gov.br/ACERVO/semarh/Conteudo.asp?TRAN=ITEM&TARG=152889&ACT=&PAGE=0&PARM=&LBL=Programas>. Acesso em: 20 mai. 2019. SISTEMA NACIONAL DE INFORMAÇÕES SOBRE SANEAMENTO. Diagnóstico do manejo de resíduos sólidos urbanos. 2017. Disponível em: <http://www.snis.gov.br/diagnostico-residuos-solidos/diagnostico-rs-2017>. Acesso em: 20 mai. 2019.pt_BR


Arquivos deste item

Thumbnail

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(s)

Mostrar registro simples